Nós na Mídia

Os meios de comunicação vez por outra fazem matérias sobre a praia do Abricó. Nem sempre o que vem escrito nas reportagens foi exatamente o que foi dito e visto.

Essa seção destina-se a mostrar o que ela tem falado de nós nestes anos de liberação do naturismo.

A ordem apresentada é cronologicamente inversa, ou seja, da mais nova a mais antiga.

 

Naturistas e comidas típicas no arraiá em Abricó

Praia de nudismo em Grumari sedia festa julina regada a comemoração com música caipira

 

por Daniela Kalicheski

Imagens: Analice Paron / Agência O Globo

 

RIO - Comida típica, com bandeirinhas, música caipira e todo mundo nu. A tradicional confraternização em Abricó, realizada neste domingo, se repete todos os anos desde que o terreno com 700 metros de praia, localizada em Grumari, foi autorizado a receber nudismo em 2014. Organizada pela Associação Naturista de Abricó (Ana) as comemorações temáticas são feitas a cada dois meses e só precisam contar com a presença do sol para acontecerem.

 

— Sempre fazemos festas temáticas. Nos Jogos Rio 2016 tivemos competições de vários esportes, temos carnaval também, natal. Aproveitamos para comemorar os aniversários dos nossos membros. É do nosso espírito estar em festa, o ambiente é muito familiar. Para a festa julina, fizemos brincadeiras típicas, sorteamos alguns brindes e trouxemos comidas. — conta a presidente da Ana, Elizangela Santiago, que utiliza o valor arrecadado com a mensalidade para pagar um segurança.

 

Uma das participantes da festa, onde o traje típico era nenhum, foi Márcia Assumpção, moradora de Angra dos Reis, que frequenta Abricó há dez anos e organiza eventos de naturismo em Ilha Grande:

 

— Naturismo é um respeito ao próximo e ao meio ambiente, uma filosofia que preza a vida em harmonia com a natureza e a nudez em grupo. Todos aqui somos fora do padrão de comportamento, mas nos identificamos aqui e fazemos amizades, é muito bom o clima em que convivemos. — relata.

 

Quem também estava entre os banhistas era Felipe Garcia, morador do Recreio, que busca visitar outras prais de naturismo pelo Brasil:

 

— Eu só frequento praias normais se for para acompanhar alguém que não gosta de naturismo. Mas isso é porque a pessoa não experimentou a liberdade de nadar sem roupa. Depois da primeira vez não é mais possível parar. A praia de Abricó é um cenário perfeito para essa prática, aqui há respeito e a paisagem está sempre se modificando, mas sempre que viajo conheço novos locais de naturalismo.— finaliza Garcia.

 

De acordo com a Associação Naturista de Abricó, existem apenas outras sete praia consideradas naturistas no Brasil, espalhadas por Santa Catarina, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Paríba. Para ser considerado um espaço naturista é permitido permanecer nu sem que seja considerado crime de atentado ao pudor.

 

 

(enviado em 24/07/17 por Pedro Ribeiro)


Documento Verdade

 

Programa da RedeTV exibiu conteúdo sobre naturismo no dia 26 de junho passado. O programa dividido em três partes abordou o tema nas duas primeiras. A primeira parte foi em Massarandupió, na Bahia, onde a polêmica sobre uma festa de forró com todo mundo nu  causou polêmica no pequeno povoado, que é sede da conhecida praia naturista. Entrevistou o presidente da AMANAT, César Xisto, que defendeu o Naturismo e sua filosofia.

 

A segunda parte foi na praia do Abricó, no Rio de Janeiro. Entrevistas com frequentador e membros da Associação naturista do Abricó e com o presidente da Federação Brasileira de Naturismo mostraram o funcionamento da praia e as normas de convivência locais.

 

Clique sobre as imagens a seguir para acessar os vídeos no site da emissora.

 

Primeira parte:

Postado por Rafael Saraiva. Visite seu canal: https://www.youtube.com/channel/UCwsuVa4R9YLSNOfWtRVFufg

 

Segunda parte:

Postado por Rafael Saraiva. Visite seu canal: https://www.youtube.com/channel/UCwsuVa4R9YLSNOfWtRVFufg

 

(enviado em 28/06/17 por Pedro Ribeiro)


Rede TV vai à praia entrevistar naturistas

 

A emissora paulista esteve na praia do abricó nos dias 16 e 17 de junho na praia do Abricó para entrevistar naturistas para o programa Documento Verdade, que irá ao ar no dia 26 próximo. Foram entrevistados Daniel Nascimento, fundador de um novo grupo naturista do estado do Rio de Janeiro, Luis Coelho, o conhecido K-9000, vice-presidente da ANAbricó, sua esposa Gláucia Hernandes, Pedro Ribeiro, presidente da Federação brasileira de Naturismo e Elisangela Santiago, presidente da ANAbricó. Outros naturistas presentes não quiseram dar entrevistas, nem terem suas imagens divulgadas.

 

A presença da equipe de reportagem e da câmera causou desconforto e revolta em alguns associados, que sentiram sua privacidades serem invadidas, porque acharam que estavam sendo filmados sem suas autorizações. A direção da ANAbricó garantiu que ninguém foi filmado sem autorização e se, por ventura, alguém tiver sido focalizado por acidente, a imagem será digitalmente ocultada.

 

(enviado em 18/06/17 por Pedro Ribeiro


Praia do Abricó convive com problemas estruturais e falta de ordenamento
Falta de agentes da prefeitura para organizar estacionamento é a principal queixa

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/bairros/praia-do-abrico-convive-com-problemas-estruturais-falta-de-ordenamento-20927336#ixzz4YnXas7R5 
 

(enviado em 15/02/17 por Claudio Haliuc)


Frequentadores pedem mais controle no acesso à Prainha e Grumari
Prefeitura estuda projeto de urbanização para a Praia do Abricó

 

Fonte: http://oglobo.globo.com/rio/bairros/frequentadores-pedem-mais-controle-no-acesso-prainha-grumari-1-20563562

 

Matéria de Lucas Altino

 

Área de penhasco entre a Prainha e a Praia do Abricó é usada para gravação de cenas de novelas em que carros são jogados na direção da praia - Analice Paron / Agência O Globo

RIO - Ao oeste do Pontal, há um reduto natural de beleza exuberante e invejável sossego. Tratadas como um patrimônio por seus frequentadores e reverenciadas por moradores de toda a cidade, em especial da Barra e do Recreio, as praias de Grumari, Abricó e Prainha se mantêm como são em grande parte graças ao esforço de associações locais. Devido à mobilização popular, as três foram incorporadas a áreas de proteção ambiental há alguns anos. O tempo, porém, trouxe novas demandas. Enquanto Grumari e Prainha sofrem com desordem e problemas no controle de acesso, principalmente no verão, os naturistas do Abricó clamam por mais segurança e obras de acessibilidade e urbanização.

 

Com a chegada do verão, a presença de banhistas em Grumari e na Prainha aumenta exponencialmente, o que representa, também, preocupações extras, principalmente com o ordenamento no local. Estacionamento irregular e desrespeito ambiental são alguns problemas. No último fim de semana, o presidente da Associação de Surfistas e Amigos de Grumari (Asag), Fabio Laneuville, o Xuxa, disse que havia 30 ônibus e 43 vans apenas em Grumari.

 

— Falta um choque de ordem geral; aqui deveria ser mais organizado. Os flanelinhas arrancam as cercas de mourões, que protegem a vegetação de Grumari, para aumentar o número de vagas — diz Laneuville.

 

Controle. Projeto para um portal na entrada da Prainha não saiu do papel; por enquanto só há cancelas - Analice Paron / Agência O Globo

Uma das soluções defendidas por frequentadores seria a construção de dois portais na entrada das praias. O projeto existe e já foi aprovado pelo Conselho Consultivo dos Parques Naturais Municipais e também pelos planos de manejo das duas unidades de conservação. Um interlocutor da prefeitura disse que já havia verba para a obra, mas ela não foi executada devido à indefinição sobre quem ocuparia as guaritas: guardas municipais, policiais militares ou seguranças particulares. Pelo projeto existente, em Grumari o portão ficaria na Estrada de Grumari, próximo ao restaurante Point de Grumari. Já o portal de acesso à Prainha seria instalado na Avenida Estado da Guanabara, cerca de 800 metros após a entrada do condomínio Maramar.

 

Durante a temporada de calor, já há controle de acesso a estas praias, e cancelas são fechadas quando as vagas oficiais estão todas ocupadas. Mas, para Antonio Abrantes, o Neném, presidente da Associação de Surfistas e Amigos da Prainha (Asap), os portais ajudariam a conscientizar os banhistas:

 

— A intenção é que as pessoas que entrem saibam que estão numa área protegida e monitorada. Não adianta policiar sem educar primeiro. O banhista precisa saber, por exemplo, que não pode fazer churrasco ou levar plantas para casa.

 

Outra demanda antiga da Asap, que ajudaria na conservação ambiental da praia, é a ampliação do Parque Natural Municipal da Prainha. O trecho inicial da Avenida Estado da Guanabara, logo depois do condomínio Maramar, é uma propriedade particular. O parque só começa de fato na altura do Mirante do Roncador. Com a ampliação, a legislação ambiental também se aplicaria àquele terreno, o que evitaria a especulação imobiliária e ajudaria no combate a pequenos incêndios. Segundo a Asap, eles são causados por guimbas de cigarro, balões ou secas e ocorrem com certa frequência no local.

 

— A notícia que nós temos é que a prefeitura negocia, há tempos, com o proprietário da área. Nós lutamos pela ampliação porque, na prática, essa área já é parte do parque, e merece ser tratada como tal — explica Neném.

 

A especulação imobiliária já é realidade em Grumari. Desde o ano passado, O GLOBO-Barra denuncia invasões no terreno do parque natural e a criação de loteamentos ilegais. Na prática, só podem viver no local os membros de uma pequena comunidade que já existia em Grumari antes de sua transformação em unidade de conservação. Segundo um frequentador da praia, o loteamento está crescendo:

 

— Os próprios surfistas começaram a comprar terrenos lá dentro. Já tem até vila de surfistas. Se você chegar com R$ 10 mil, R$15 mil ou um carro velho, consegue um terreno. Vai chegar uma hora em que vão perder o controle. Eram 36 famílias cadastradas, agora já ha mais de cem.

 

Na Praia de Grumari, também gera polêmica o asfaltamento de quase toda a Estrada do Grumari, que deveria ser provisório. Segundo a prefeitura, a pavimentação seria retirada 60 dias após o fim da Paralimpíada, ou seja, até 9 de novembro, prazo que não foi cumprido.

 

A obra foi feita, segundo a prefeitura, em razão das provas de ciclismo dos Jogos Olímpicos. A alteração, porém, chamou a atenção principalmente por causa da posição da União Ciclística Internacional (UCI) durante inspeções na cidade. Em visita ao Rio em dezembro de 2015, Brian Cookson, presidente da UCI, elogiou os locais de competições das modalidades de ciclismo, e destacou especialmente o trecho de Grumari, devido à dificuldade técnica que seria proporcionada pelos paralelepípedos. Vale lembrar que no torneio mais famoso de ciclismo do mundo, o Tour de France, existem trechos com este tipo de piso.

 

Frequentadores reclamaram, mas a Empresa Olímpica Municipal respondeu que a obra fora um pedido do Comitê Rio 2016. Claudio Haliuc, diretor da Associação Naturista da Praia do Abricó (Anabricó), afirma ter ouvido que o asfalto não seria mais retirado. Já Laneuville diz não ter recebido qualquer informação.

 

Vai sair? Com atraso, prefeitura diz que vai tirar asfalto de Grumari - Analice Paron / Agência O Globo

— Pelo que eu estou vendo, não vão tirar, não. A prefeitura não deu satisfação alguma — reclama.

 

O asfalto não só não foi retirado, como já apresenta muitos buracos, o que torna a situação perigosa para os próprios ciclistas, que seriam os beneficiados pela obra, frisa:

 

— Nós somos contra a permanência do asfalto. Ainda há a questão ambiental, porque uma intervenção dessas muda o cenário da praia e causa impermeabilização do solo.

 

Procurada, a prefeitura afirmou que a Secretaria municipal de Conservação e Serviços Públicos (Seconserva) começará a retirar o asfaltamento da Estrada do Grumari na próxima segunda-feira. Sobre a desordem nas praias, informou que a Guarda Municipal atua no local com guardas dos grupamentos de Trânsito e de Praia para coibir estacionamento em local proibido e outras irregularidades; e agentes do Grupamento de Defesa Ambiental para impedir ações que possam prejudicar o patrimônio ambiental da região.

 

Segurança. Naturistas frequentadores da Praia do Abricó pedem apoio da Guarda Municipal em combate a atos contra o pudor - Analice Paron / Agência O Globo

No último fim de semana, já dentro da Operação Verão, 380 veículos foram multados por estacionamento irregular nas praias da Zona Oeste, incluindo Prainha e Grumari, contabiliza a prefeitura. Sobre os loteamentos irregulares em Grumari, a Secretaria municipal de Meio Ambiente respondeu que está realizando o levantamento dos proprietários para tomar as devidas providências.

 

Naturistas do Abricó pedem mais segurança e urbanização nos acessos

 

Em novembro de 2014, foi sancionada a lei que regulamenta o nudismo na Praia do Abricó. Uma vitória para os frequentadores, representados pela Anabricó. Dois anos depois, porém, a ação efetiva do poder público na praia ainda é aguardada. A maior reivindicação é mais patrulhamento.

 

— O artigo III da lei garante a presença da Guarda Municipal, mas infelizmente o comando do órgão sempre nos diz que não há efetivo suficiente para atender à demanda. A orla inteira tem segurança, mas, neste trecho, ela acaba na Prainha. Abricó e Grumari não contam com agentes. Quando aparecem, eles chegam aqui às 16h e vão embora às 17h — lamenta Claudio Haliuc, diretor de relações-públicas da associação.

 

A demanda por segurança é justificada principalmente pelos flagrantes de voyeurismo, masturbação, sexo e até orgias na Praia do Abricó. A recorrência dessas situações fez a Anabricó buscar apoio na Alerj, para tentar garantir a presença de policiais treinados no lugar.

 

Entretanto, o projeto de lei para aumentar o policiamento nas praias de nudismo não passou na votação em sessão plenária da Alerj. A associação tentou, então, uma indicação parlamentar, mas um relatório do comando da PM foi desfavorável à lei, por entender que a segurança da praia é responsabilidade da GM, e minou a tentativa.

 

— Agora nós queremos insistir com a Guarda Municipal. Por enquanto, a associação paga segurança privada — diz Haliuc. — Esta é uma área linda, mas infelizmente há problemas, principalmente em dias de semana, quando não contamos com vigilância. Tem gente escondida na mata se masturbando ou fazendo sexo atrás das pedras.

 

Entrada da praia. Relatório da SMO pede obras de calçada no acesso ao Abricó - Analice Paron / Agência O Globo

Pelo menos em relação a um acalentado projeto de urbanização, a expectativa é boa. Em janeiro, a Secretaria municipal de Obras (SMO) realizou uma vistoria no Abricó para avaliar possibilidades como a construção de uma rampa de acessibilidade e um novo posto de salvamento e a necessidade de melhorar as calçadas do entorno. O projeto ainda não tem prazo para sair do papel, informa a pasta. Segundo Haliuc, porém, recentemente o presidente da Câmara dos Vereadores, Jorge Felippe, disse, em reunião com a Anabricó, que as obras estão no orçamento de 2017 do município.

 

No relatório de vistoria da SMO na Praia do Abricó, foram consideradas, ainda, a necessidade de se instalar banheiros, chuveiros e um quiosque de informações turísticas; melhorar a sinalização e a segurança; e erguer uma passarela de acesso à praia. O custo estimado é de R$ 1,2 milhão. O autor do relatório também destaca que, do posto de salvamento existente hoje, não é possível observar grande parte da praia.

 

Mais duas demandas da Anabricó foram discutidas em reunião com a Seconserva em outubro: a construção de um quebra-mola na altura da praia, e de uma mureta ou gradil na Avenida Estado da Guanabara, pouco antes da entrada da praia.

 

— Atualmente, não há proteção em uma parte do penhasco. Fazem muitas gravações de cenas de filmes e novelas aqui, nas quais carros são lançados nas pedras do Abricó. Só que nem sempre removem as carcaças dos veículos — reclama Haliuc.

 

Ele celebra, por outro lado, a parceria com a Comlurb, que em agosto realizou um mutirão no local e retirou mais de três toneladas de lixo.

 

Procurada, a Guarda Municipal afirma que patrulha a Praia do Abricó como o faz em todas as outras. Já a Seconserva respondeu que os quebra-molas previstos já foram instalados, e que o muro, por ser uma estrutura grande, de 66 metros de comprimento, não é de responsabilidade da pasta.
 

(enviado em 1/12/16 por Claudio haliuc)


Abricó, a praia dos pelados, sofre de um problema curioso
POR CLEO GUIMARÃES16/10/2016 12:50 jornal O GLOBO

 

Único point naturista da cidade, a Praia do Abricó sofre de problema curioso: há uma grande quantidade de carcaças de carro submersas na praia. São veículos usados em filmagens e lançados ao mar bem naquele trecho. “Todas as cenas de filme e novela que mostram carros caindo num despenhadeiro são gravadas na subida para Grumari, do nosso lado. Assim não dá”, diz Claudio Halliuc, porta-voz dos naturistas. Recentemente a Comlurb retirou três toneladas de lixo (carros arrebentados, em sua maioria) da Praia do Abricó.

 

Aliás e a propósito

 

Para solucionar o problema, a turma dos pelados pede a instalação de um gradil no acesso ao Abricó, que neste verão continua com as mesmas regras: nudez total obrigatória nos finais de semana e feriados (até para vendedores e seguranças), parcimônia nos carinhos em público e topless nos dias úteis.

 

(enviado em 17/10/16 por Claudio haliuc)


 

'Take your marks, get set... STRIP!' Now Rio plays host to the NAKED Olympics (and athletes are ordered to keep their eyes on the ball, not each other!)
Rio nudists stage 'naked Olympics' in tribute to ancient Greeks
They strip off for sprinting, beach volleyball and power walking
Organisers say: 'Don't worry about bending over to pick up the ball'

 

By Janet Tappin Coelho In Rio De Janeiro For Mailonline

Published: 13:59 GMT, 19 August 2016 | Updated: 14:17 GMT, 19 August 2016

 

On a stunning beach in Rio de Janeiro a group of brave souls have stripped the Olympic Games right back to basics as they pay tribute to the ancient Greeks by staging their own games - in the nude. The dedicated naturists are competing every weekend in a series of high-spirited and energetic contests that toss all inhibitions out of the window. The organisers of the Abrico Beach 'Olympic Games' say anyone can take part - as long as they are prepared to strip off.

 

They advise all competitors: 'There is no point worrying about 'what you look like when you bend over to pick up the ball, getting embarrassed when you fall over with your legs up in the air or bothering about your bits jiggling as you sprint for the finishing line.'

Naked Olympic 'events' include football, beach volleyball, swimming, sprinting and race walking. There are also a few non-Olympic sports such as the tug of war, surfing, which is due to debut at the 2020 Olympic games in Tokyo, and Peteca, a traditional game in Brazil which is played with a hand shuttlecock.

 

The stark-naked games on the dedicated naturist Abrico beach in Grumari, in the west zone of Rio, are a far cry from the rigorous and heavily contested competitions taking place just nine miles away in the Olympic city in Barra da Tijuca.

 

Naturist Elisangela Santiago, who runs Rio's Abrico Beach Naturist Association, said: 'We decided we wanted to enjoy the Olympics in a novel and liberating way that paid tribute to the origins of the sport.

 

'We have lined up a few fun games for people to get involved in. It doesn't matter if you haven't got an athletic bone in your body, the whole idea is to push out the boundaries and have plenty of legitimate fun while you happen to be naked.

 

'Our games are all about encouraging people to feel good about themselves and promote a healthy and positive way of living freely and be at one with nature,' she added.

 

Leia mais: http://www.dailymail.co.uk/news/article-3747165/Take-marks-set-STRIP-Rio-plays-host-NAKED-Olympics-athletes-ordered-eyes-ball-not-other.html#ixzz4HyjTcUOF

 

(enviado em 21/08/16 por Claudio Haliuc)


Los Juegos Olímpicos Nudistas ofrecen competencias más naturales en Río
En Praia do Abricó, a pocos kilómetros del centro, se realizan unos juegos distintos

 

Por Alberto Armendáriz LA NACION

Sábado 20 de agosto de 2016 • 10:10

 

RIO DE JANEIRO.- En los últimos días, toda la atención en Río de Janeiro estuvo concentrada en los Juegos Olímpicos, en las competencias internacionales, en los récords quebrados y hasta en las ropas que usan los atletas para mejorar su performance. Pero a pocos kilómetros del centro carioca, en la Praia do Abricó, a quienes participan de las Olimpíadas Nudistas, poco les importa su desempeño, su estado físico, y mucho menos la vestimenta; sólo quieren divertirse practicando deportes de la manera más natural posible.

 

"Siempre organizamos muchas actividades físicas, sobre todo natación, surf y volley en la playa, e intentamos estar en sintonía con los eventos que ocurren en la ciudad para atraer más visitantes", comentó a LA NACION la enfermera Elisangela Santiago, 35, presidenta de la Asociación Naturista de Abricó (ANA), promotora de estos singulares juegos desnudos que se realizan todos los domingos de agosto y que incluyen pruebas como 100 metros rasos, volley, petaca, cabo de guerra, tejo, frisbee, tiro al blanco y natación.

 

El fin de semana pasado, más de un centenar de personas visitaban la playa de Abricó como Dios los trajo al mundo, pero apenas una docena se animó a participar de los Juegos Olímpicos; preferían disfrutar del sol y del mar en tranquilidad. Sólo cuando se empezaron a repartir las medallas la gente se interesó más por convertirse en atletas por el día.

 

Leia a matéria completa em http://www.lanacion.com.ar/1930016-los-juegos-olimpicos-nudistas-ofrecen-competencias-mas-naturales-en-rio 

 

(enviado em 21/08/16 por Pedro Ribeiro)


Abricó terá olimpíada naturista durante o Rio-2016

Associação do local organiza a própria competição, que começa a partir de domingo
 

por Luiz Ernesto Magalhães

 

RIO - Antes mesmo do início dos Jogos Olímpicos, outra competição ganhará destaque na Praia do Abricó, localizada entre o Grumari e Prainha, na Zona Oeste do Rio. A Associação de Naturistas do Abricó está organizando a sua própria “Olimpíada”, que começa a partir do próximo domingo. Os torneios de futebol, vôlei, peteca, além dos 100 metros rasos serão realizados vai depender literalmente de atletas que tiverem disposição para ficar pelados. As disputas, sem pretensões de medalhas, serão realizadas todo domingo, até o fim do Jogos Olímpicos.

 

Leia a matéria completa em http://oglobo.globo.com/rio/abrico-tera-olimpiada-naturista-durante-rio-2016-19795139#ixzz4FfG1r7iF

 

Nota: A edição de agosto da revista VisitRio 2016 também cita a praia do Abricó como opção de visita aos turistas durante os jogos olímpicos.

 

 

(enviado em 27/07/16 por Claudio Haliuc)

 


Abricó, a praia naturista que fez história no Rio de Janeiro

Portal Os Naturistas começou o Ano Novo de 2016 na praia do Abricó, fazendo uma matéria que está no ar em seu portal. Fotos, texto e vídeo. Para ler a matéria completa clique no link abaixo:

Portal Os Naturistas


Livre, Leve e Solto

Revista Guia do Rio, editada pela Secretaria de Turismo do Municípío do Rio de Janeiro (RioTUR), publica na edição 26 de agosto de 2015, matéria sobre a praia do Abricó. A revista bilíngue é distribuída gratuitamente nos pontos turísticos e hotéis da cidade.

Foto: Ricardo Zerrenner

Notícia cadastrada em 30/07/2015

 

À primeira vista, Abricó é uma praia deserta com paisagem perfeita, formada por vegetação rasteira de Mata Atlântica, areia branca e a imensidão do mar azul. Escondida entre as pedras e o mar, livre dos olhares curiosos de quem passa pela estrada que liga o Recreio a Barra de Guaratiba, a única praia naturista do Rio de Janeiro fica ao lado da paradisíaca praia de Grumari, pérola da zona oeste carioca. Desde a década de 70, Abricó é frequentada pelos adeptos do naturismo, grupo que tem como filosofia a harmonia entre o homem e a natureza, mas foi a partir do início dos anos 2000, com a legalização do espaço para a prática, que o grupo ganhou força e novos adeptos.

A Associação Naturista da Praia do Abricó, iniciativa formada por praticantes da filosofia, preserva o meio ambiente e mantém controle rígido de acesso à praia. Nos finais de semana e feriados, seguranças particulares circulam pelos 250 metros de Abricó dedicados ao nudismo, garantindo a privacidade e integridade dos visitantes. Sem qualquer cerimônia, o público que frequenta a praia é formado por jovens, senhoras e até famílias inteiras. Se você se animou em visitar a praia do Abricó, pode deixar a roupa de banho na bolsa e levar um tubo extra de protetor solar para espalhar pelos recônditos do corpo: aqui não é permitido entrar vestido. Deixe a inibição de lado e curta a praia!

Também disponível no site: http://visit.rio/que_fazer/abrico/

(enviado em 3/08/15 por Claudio Haliuc)


Naturistas sofrem com falta de fiscalização e preconceito em Abricó

Jornal Estado de São Paulo publica matéria sobre a Praia do Abricó

Redação

04 maio 2015 | 18:26

Associação tenta combater abusos de novos frequentadores às regras de convivência dos adeptos da nudez social

Por Danielle Villela

Seis meses após a regulamentação do naturismo na Praia do Abricó, no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio, frequentadores tradicionais ainda sofrem com a falta de fiscalização e com o preconceito. Sem apoio da Guarda Municipal, a Associação Naturista da Praia do Abricó (ANA) tem dificuldades em combater abusos dos novos visitantes das areias onde a nudez social é liberada. Casais tendo relações sexuais e pessoas se masturbando em público são exemplos de má conduta no local.

Foto: Alaor Filho/Estadão

A Praia do Abricó é a única destinada à prática do naturismo no Rio de Janeiro

Os problemas se intensificaram há cerca de um ano e meio, com o aumento do número de visitantes na praia, segundo Leonardo Valentim, recém-eleito presidente da ANA. “Esses atos são considerados como atentado violento ao pudor, seja em praia de naturismo ou não. As pessoas ainda têm uma mentalidade muito atrasada com relação à nudez, associada ao erotismo, o que é totalmente diferente da filosofia naturista”, disse Valentim, que conheceu o naturismo em 2008, quando foi convidado para trabalhar na fiscalização da Praia do Abricó.

A Praia do Abricó é a única destinada à prática do naturismo na cidade, sendo frequentada desde a década de 70 por adeptos da nudez social como forma de liberdade. Localizada a cerca de 48 quilômetros do centro do Rio, dentro do Parque Municipal de Grumari, a praia fica numa área deserta, fora do alcance de visão por quem passa de carro pela Estrada da Guanabara, que dá acesso ao local.

Em vigor desde novembro de 2014, a lei nº 5.807/2014 regulamenta a prática do naturismo em Abricó, mas não torna a nudez obrigatória nos 850 metros de extensão da praia. Os fiscais da ANA, no entanto, tentam manter um trecho de 250 metros da faixa de areia como exclusiva para os naturistas. “A presença da Guarda Municipal ou da Polícia Militar ajudaria bastante. Nossa fiscalização é na base do bom senso, mas nem sempre as pessoas respeitam”, afirma Valentim.

Foto: Alaor Filho/Estadão

Adeptos da nudez social como forma de liberdade frequentam Abricó desde a década de 70

A lei estabelece que “o Poder Público providenciará os atos necessários com vistas a manter a segurança e a ordem, inibindo abusos de qualquer natureza”. Além disso, as vias públicas de circulação de veículos, os locais de travessia de pedestres e os limites da extensão de areia da praia devem ter sinalização que identifique Abricó como local destinado aos adeptos do naturismo. Apesar da determinação, a Prefeitura instalou no dia 5 de março apenas uma placa, já na faixa de areia.

Por causa do desrespeito às regras de convivência, a ANA passou a recomendar que a Praia do Abricó só seja visitada aos finais de semana e feriados, quando há fiscalização. “Infelizmente não temos verba para fiscalização todos os dias”, lamenta Valentim. A arrecadação de recursos financeiros da ANA está comprometida, já que menos de 30% dos 850 associados estão em dia com suas contribuições, segundo o presidente.

Foto: Alaor Filho/Estadão

Frequentadores tradicionais do local ainda sofrem com a falta de fiscalização e com o preconceito

Regras – O acesso à Praia do Abricó é livre de taxas, permitido para homens e mulheres, acompanhados ou não. O código de ética da Federal Brasileira de Naturismo (FBrN) proíbe comportamentos sexualmente ostensivos e a prática de atos de caráter sexual ou obscenos nas áreas públicas. Qualquer tipo de assédio ou propostas com conotação sexual são repudiados. Além disso, não é permitido fotografar, gravar ou filmar naturistas sem sua permissão. “Tudo que não é permitido em uma praia comum não é permitido aqui, a única exceção é que as pessoas estão sem roupa”, resume Valentim.

Procurada pela reportagem, a Guarda Municipal do Rio de Janeiro informou que a Praia de Abricó “recebe fiscalização por meio de rondas, feitas em horários aleatórios pelo Grupamento de Defesa Ambiental da corporação” e que nos casos de assédio sexual e atentado ao pudor, “os agentes da GM-Rio colaboram com as autoridades policiais, encaminhando os flagrantes e pequenos delitos para as delegacias da região”.

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente, responsável pela sinalização na praia, não se pronunciou até a publicação da reportagem.

Fonte: http://brasil.estadao.com.br/blogs/estadao-rio/naturistas-sofrem-com-falta-de-fiscalizacao-e-preconceito-em-abrico/

(enviado em 7/05/15 por Leonardo Valentim)


Intercâmbio puro
revista ISTOÉ de 22 de abril publica matéria sobre eleição na praia do Abricó.

Será a caráter a posse de Leonardo Valentim dia 1º de maio, na presidência da Associação Naturista de Abricó – praia na Zona Oeste do Rio de Janeiro, uma das oito no Brasil dedicada a prática do nudismo. De cara ele quer elevar a receita da entidade – dos 820 associados só 53 votaram na semana passada, quites com mensalidades de R$ 30,00 ou R$ 40,00 (casal). Com mais dinheiro cuida-se melhor dos 250m da praia e sairá do papel o projeto da “Natu Olimpíadas”, reunindo estrangeiros adeptos ao nudismo e que virão ao Brasil para a Rio-2016.

Fonte: http://www.istoe.com.br/colunas-e-blogs

(enviado em 18/04/15 por Renato Cordeiro)


Mais liberdade, menos roupa

Matéria da revista erótica SEXY faz matéria excepcional sobre a praia do Abricó. Enquanto as mídias convencionais deturpam os fatos e não publicam o que se fala nas entrevistas dadas, a SEXY publicou quase ipsis litteris o que foi dito pelos entrevistados. Acho que a razão dessa diferença está no fato de as repórteres terem realmente passado um dia inteiro na praia e vivenciado a situação verdadeira. Os outros, das outras mídias, se colocam em posição de espectador, de voyeur, e acabam fazendo matérias pífias, embora algumas bem intencionadas.

Leia a matéria reproduzida abaixo. Não esqueça que a revista NÃO é Naturista, portanto o uso de termos mais populares serão encontrados.

Mais liberdade menos roupa

Tirei a roupa em Abricó, a primeira praia oficial de naturismo do Rio de Janeiro, e voltei para contar que raios é esse movimento que prega a sintonia com a natureza e clama pela liberdade de ficar peladão

por Bianca Castanho

Fotos: Paula Giolito

[1] O segurança Max Cardoso cuida da praia há 11 anos. [2] Eudes se refresca no mar.

TIRAR A ROUPA é uma das coisas mais naturais da essência humana e, ao mesmo tempo, está envolta por uma porrada de contradições. Viemos ao mundo completamente pelados, tomamos banho sem roupa e fazemos sexo nus – com exceção da camisinha, claro. Já sair na rua em nosso estado mais natural, como tem acontecido por aí, pode até dar cana. Todas essas amarras morais no que diz respeito a caminhar sem lenço nem documento, no entanto, não impediu que o pessoal que curtia ficar mais “à vontade” lutasse pelo seu direito de ficar livre, leve e solto. O resultado foi o surgimento de um movimento que pregava liberdade, respeito a si próprio, ao outro e ao meio ambiente: o naturismo.

A ideia de criar o bicho solto, aliás, ganhou força no Brasil no último dia 6 de novembro, quando o prefeito carioca Eduardo Paes (PMDB/RJ) regulamentou a praia de Abricó como a primeira praia oficial de naturismo do Rio de Janeiro.

Na verdade, esses 250 metros de litoral já não veem a cor de um biquíni desde os anos 1990. Cariocas de várias regiões já estavam acostumados a tomar sol sem se preocupar com a marquinha. A diferença é que, com a regulamentação, a segurança dos peladões é responsa da Prefeitura. Pedro Ribeiro, naturista há 20 anos e presidente da Associação Naturista de Abricó (ANAbricó), comenta a vitória: “A lei é interessante porque, primeiro, nenhum prefeito pode derrubar, só por outra lei; segundo, foi colocada a obrigatoriedade de o poder público cuidar da segurança. A gente sempre pediu essa ajuda, mas a desculpa era que não tinha contingente. No entanto, eu já conversei com um comandante da Polícia Militar e ele me disse que essa é a desculpa oficial no papel, mas na prática, é preconceito. Eles não queriam disponibilizar policiais para cuidar de ‘um bando de pelados’. Já aconteceu de chamarmos a polícia por problemas que ocorreram, e a polícia não veio. Por isso colocamos seguranças aqui, para poder oferecer um pouco de conforto aos frequentadores. Nós tentamos que essa regulamentação fosse aprovada há muito tempo, então essa foi uma vitória”. Com seguranças pelados, claro, me senti confortável para dar uma voltinha por lá e apresentar o sol para algumas regiões do meu corpo acostumadas a viver na escuridão.

Naturista, naturalista ou nudista

AFINAL, QUAL A DIFERENÇA?*

NATURALISMO

Diz respeito à escola literária que influenciada por Charles Darwin. Tem muito mais a ver com ciência do que com a beleza de viver pelado.

 

NUDISMO

Falando literalmente, o nudista é aquela pessoa que gosta de ficar nu sem, no entanto, adotar um estilo de vida diferente. Qualquer pessoa que tenha o hábito de andar sem roupa já pode ser considerada nudista.

 

NATURISMO

O naturista tem mais preocupações. Além de ficar pelado, ele preza por criar uma relação harmoniosa e respeitosa com a natureza e com o próximo. Para a Federação Internacional de Naturismo, é “um modo de vida em harmonia com a natureza, caracterizado pela prática do nudismo em grupo, que tem por intenção favorecer o autorrespeito, o respeito pelo outro e o cuidado com o ambiente”.

Isso pode?

SE VOCÊ QUISER CONHECER UMA PRAIA NATURISTA, É SÓ CHEGAR. PORÉM, FIQUE LIGADO NAS REGRAS DA FEDERAÇÃO NAURISTA DO BRASIL PRA NÃO PASSAR VERGONHA!

É PROIBIDO

Ficar vestido em locais onde a nudez é obrigatória.

Tirar fotos, gravar ou fazer qualquer registro dos frequentadores da praia sem autorização dos mesmos. Isso em qualquer lugar, né?

Ter qualquer tipo de comportamento e/ou prática sexual. Se ficar animadinho, vai pra fora.

Praticar violência física. Poupe os frequentadores de ver a cena de dois machões pelados rolando na areia.

Causar dano à imagem do naturismo.

Usar e portar substâncias químicas ilegais.

Ouvir música tão alta que possa atrapalhar a tranquilidade dos outros. (essa deveria ser universal).

Se “aliviar” em qualquer canto. Não é porque você está pelado que pode sair mijando por aí.

Passando protetor no mamilo

Quando fui designada para explorar a primeira praia oficial de naturismo na cidade do Rio de Janeiro, tudo parecia uma grande diversão. A situação começou a mudar quando eu e a fotógrafa, Paula Giolito, chegamos à região de Grumari e nos deparamos com a placa que dizia: “Entrada permitida apenas para pessoas nuas”, comecei a ficar nervosa.

Em questão de minutos, o segurança Max Cardoso, com um walkie-talkie na mão, boné, óculos escuros e… sunga veio conversar. Expliquei que éramos da revista, e ele permitiu que entrássemos de biquíni para falar com Pedro Ribeiro, o presidente da Associação Naturista de Abricó. Com a entrada liberada, parecia que tínhamos atravessado um portal e ido parar em uma praia praticamente deserta, com mar azul e areia branquinha. E uma cacetada de gente pelada.

Um dos meus maiores receios era que as pessoas ficassem encarando e analisando cada centímetro do meu corpo. E foi assim que me senti, mas enquanto estava vestida. O fato de sermos as únicas pessoas vestindo traje de banho fazia com que todos os olhares recaíssem sobre a gente. Era como se houvesse um luminoso sobre nossas cabeças escrito “forasteiras”. De repente, quando me volto para falar com o segurança, já o encontro totalmente à vontade. Ele vinha com a notícia: teríamos que tirar tudo.

Estava na cara, aliás, nas marcas do biquíni, que era minha primeira vez ali. Essa é uma das maneiras que os frequentadores distinguem quem é do movimento e quem é curioso. Percebendo que eu era novata, pelo menos cinco prestativos senhores me deram o mesmo conselho: “Não esquece de passar protetor no mamilo”. Fiquei imaginando como seria voltar pra casa com os mamilos ardendo. O conselho também vale para os homens que não queiram chegar em casa e ficar passando Caladryl na piroca.

Lidar com a sua própria nudez, em público, de maneira, digamos… escancarada é algo meio chocante a princípio. Foi impossível não me preocupar se a minha depilação estava em dia ou não dar uma manjada no biscoito Globo do vendedor de biscoito Globo que vinha passando.

A curiosidade pelo corpo alheio, porém, passa rapidinho. O erotismo perde o espaço e pintos e xoxotas adquirem o mesmo status de um braço. Foi aí que comecei a ficar à vontade. Cada frequentador estava mais preocupado com o seu… umbigo: grupos conversavam embaixo de guarda-sóis, tomavam uma cervejinha ou ouviam música. Alguns casais trocavam beijos, outros liam, e tinha gente caminhando na beira da água. Ou seja, tudo como qualquer praia normal. Inclusive a barraca com comes e bebes.

[1] O vendedor Edmilson se adapta à praia. [2] Érica confere a conta. [3] Casal troca carinhos de modo comportado. [4] A paulistana Sofia visita o Rio e Abricó pela primeira vez.

Protegida pela sombra das árvores, a comerciante Érica é dona da única barraca da praia. Ela estabeleceu o ponto ali há cinco anos, quando resolveu começar a visitar a praia com seu marido. Com um chapéu preto, um caderninho de contabilidade e peitões à mostra, Érica recebe todo mundo com um sorriso no rosto. Seu marido e os cinco filhos também frequentam a praia e ajudam nas vendas: “Minha vida mudou muito, porque a maneira de ver dos naturistas é diferente da dos outros. Minha intimidade com meu marido ficou melhor e não tem mais esse lance de ciúmes”, conta ela.

Passamos o dia todo conversando com os frequentadores. Bancários, professores, advogados… E não apenas adultos. Adolescentes e crianças também dividem o espaço com a galera que curte essa liberdade. É esse o grande lance: uma interação livre com a natureza.

Quero ficar nu!

NO BRASIL EXISTEM 10 PRAIAS* OFICIAIS DE NATURISMO. VEJA QUAL É A MAIS PERTO DE VOCÊ E VAI NESSA!

Praia do Pinho, Balneário Camboriú (SC)

Abricó, Rio de Janeiro (RJ)

Tambaba, Conde (PB)

Barra Seca, Linhares (ES)

Massarandupió, Entre Rios (BA)

Praia de Pedras Altas, Palhoça (SC)

Galheta, Florianópolis (SC)

Olho de Boi, Búzios (RJ)

Praia Brava, Cabo Frio (RJ)

Jurubá, Paraty (RJ)

SEM SACANAGEM

Há um esforço contínuo para que não haja nenhuma conotação erótica, principalmente entre os novatos. O esquema é todo regrado: aos finais de semana e feriados, a nudez é total e obrigatória, e a Associação Naturista de Abricó toma conta de tudo, com seguranças controlando a entrada das pessoas. Curiosos são bem-vindos, desde que sigam as normas.

É proibido ficar de pau duro. “Se o cara tem uma ereção, nós conversamos. Se não mudar, convidamos o sujeito a se retirar da praia. Nossa relação com o naturismo não permite que haja esse tipo de erotismo”, conta Max Cardoso, segurança de Abricó há 11 anos.

Essa vontade de ver erotismo onde não tem é que impediu que a praia fosse mista, ou seja, só fica pelado quem quer, como ocorre em alguns lugares da Europa. A experiência, como conta Pedro Ribeiro, presidente da Associação, deu errado: “Grupos de homens invadiam a praia com segundas intenções, se masturbavam por dentro da roupa, era desconfortável. Por isso aqui, pelo menos aos finais de semana, é nu total e obrigatório, porque normalmente essas pessoas não têm coragem de tirar a roupa”.

Nem é preciso comentar que transar na praia também está fora de questão, né? E, pelo menos enquanto o pessoal da Associação está ali, isso não acontece mesmo. Durante a semana, no entanto, os 250 metros de areia ficam sem supervisão e aí abre espaço pra criatividade alheia. “A praia é pública, então tem coisa que a gente não pode fazer. Tem gente que marca encontro durante a semana, acontecem alguns constrangimentos, principalmente pela falta de segurança. Agora, com a regulamentação, nós temos um maior respaldo jurídico”, comenta Ana Cláudia, que tem 51 anos e frequenta Abricó há 11.

O dia passou rápido. O sol quase apagou minhas marquinhas de biquíni. Conforme foi entardecendo, lá pelas 16 h, o contingente masculino começou a aumentar rapidamente. Não demorei para descobrir que estava quase na hora de o pessoal da Associação ir embora, o que incentiva curiosos e uma galera a querer explorar a praia com a única intenção de ver uma gatinha nua. É curioso como a nudez alheia impressiona quem não tem coragem de se misturar a ela. Eu, que já havia aproveitado o suficiente, resolvi atravessar a fronteira pro lado dos vestidos e colocar o biquíni.

Saí de lá depois de viver uma experiência única: a sensação de liberdade e sintonia com a natureza. O fato de ninguém se importar com o tamanho do seu peito (ou pinto), com sua cor de pele ou se está sobrando alguma gordurinha acolá faz com que você se dê conta de como essas coisas são pequenas e realmente aproveite.

Como diria o escritor e humorista americano Mark Twain: “Se fosse a vontade de Deus que vivêssemos nus, teríamos nascido assim”. Quem sou eu para discordar?

Pelados na história

Nascido na Alemanha no começo do século 19, o naturismo recebeu esse nome somente na década de 1950. Antes, era chamado simplesmente de nudismo, e o ato de ficar pelado era visto como uma maneira de melhorar a saúde. Em campos que funcionavam como uma espécie de spa, os adeptos praticavam exercícios ao ar livre, tendo um contato mais intenso com os raios solares e o ar puro. Não demorou para que os naturistas ocupassem lugares públicos como praias e praças. A moda pegou, cruzou o oceano e pousou em terras tupiniquins nos anos 1950. Foi quando a atriz Dora Vivacqua, conhecida como Luz Del Fuego e famosa por fazer performances teatrais nua e com uma cobra enrolada em seu pescoço nas casas de show cariocas, criou o primeiro recanto dedicado aos adeptos do naturismo, na Ilha do Sol, na Baía de Guanabara. O lugar se tornou sinônimo do estilo de vida naturista na América Latina. Em um espaço de 8 mil metros quadrados, entrar com qualquer tipo de peça de roupa era completamente proibido. Foi lá também que nasceu o Clube Naturista Brasileiro, a primeira instituição brasileira dedicada aos naturistas e que atraía gente do mundo todo. No início dos anos 1980, a Praia do Pinho, em Santa Catarina, começou a ser frequentada por uma galera nua, o que motivou a extinta revista Manchete a fazer uma matéria sobre o lugar em 1984. Dois anos depois, em 1986, a Praia do Pinho foi oficialmente considerada a primeira praia de naturismo do Brasil, e em 1988 foi criada a Federação Brasileira de Naturismo (FBrN). Atualmente, existem cerca de 32 entidades filiadas à FBrN por aqui, entre praias, campings, pousadas e hotéis naturistas.

(Sexy 422 – Fevereiro de 2015)

*Nota da redação: as informações citadas são de responsabilidade das autoras

Matéria original: http://revistasexy.com.br/mais-liberdade-menos-roupa/ 

(enviado em 2/03/15 por Anabricó)


Praia do Abricó em matéria do jornal O DIA

O jornal O Dia publicou, na edição do dia 26 de fevereiro, um encarte especial sobre a vida social a céu aberto do carioca entre o mar, montanhas e florestas. Entre as diversas opções apresenta a Praia do Abricó como local alternativo às outras praias. Veja a matéria completa abaixo.

 

Matéria de Márcio Allemand

Foto de Alexandre Vieira

 

Matéria completa em http://blogs.odia.ig.com.br/rio-450-anos/lugares-do-rio/e-doce-viver-no-mar

 

(enviado em 1/03/15 por Pedro Ribeiro)


Jornal Folha de São Paulo faz matéria sobre as oito praias de nudismo brasileiras, entre elas a praia do Abricó, que é reproduzida abaixo. Quem quiser ver a matéria completa cleique nolink a seguir

Matéria original: http://www1.folha.uol.com.br/turismo/2015/01/1578160-turismo-visitou-as-oito-praias-de-nudismo-oficiais-do-brasil-leia-relatos.shtml

ou http://www.jornalolhonu.com/jornais/olhonu_n_170/midia.html

Publicado originalmente em 22 de janeiro de 2015

Uma curiosidade: na mesma matéria, sobre a praia de Barra Seca, na foto publicada ilustrando o tema, uma das pessoas fotografadas de costas é Bia, frequentadora da Praia do Abricó, exatamente a que está no meio da imagem.

(enviado em 22/01/15 por Carlos Ribeiro Teixeira)


Sem barbantes amarrados: Nudistas Brasileiros conseguem praia no Rio

Por ASSOCIATED PRESS
PUBLICADO: 19:45 GMT, 05 dezembro de 2014 |

Atualizado: 19:46 GMT, 05 de dezembro de 2014

Pedro Ribeiro olha para o mar da praia de Abricó, recentemente designada como nudista após 20 anos de batalha, no Rio de Janeiro, Brasil, quinta-feira, 4 de dezembro de 2014. A lei aprovada no mês passado libera nudistas de qualquer ameaça de ação legal  e oferece maior proteção, incluindo patrulhas para manter voyeurs à distância. (AP Photo / Felipe Dana)

RIO DE JANEIRO (AP) - Pedro Ribeiro vive apenas a um quarteirão da praia de Copacabana, um dos trechos de areia dourada mais famosos do mundo, mas quase todo fim de semana ele gasta quase três horas para aproveitar o sol em seus próprios termos - em pelo.

Após uma batalha de duas décadas, que Ribeiro ajudou a liderar como chefe de uma associação de nudismo local, Rio de Janeiro tem a sua primeira praia para nudistas, o que pode surpreender alguns dado a fama da cidade para as celebrações de Carnaval hedonistas e as atitudes vale-tudo.

Abricó praia, a cerca de 25 milhas (40 quilômetros) a oeste do centro do Rio, foi feita oficialmente uma praia de nudismo no mês passado.

Embora o biquíni brasileiro pode ser o mais próximo que se pode chegar a estar nu, estando ostensivamente vestido, para os brasileiros aqueles minúsculos triângulos spandex cobrindo as partes íntimas fazem toda a diferença.

Nudismo fora dos desfiles de Carnaval é amplamente desaprovado no Brasil. Nos mais de 7.400 quilômetros (4.600 milhas) da costa, há apenas oito praias de nudismo oficiais, agora incluindo Abricó do Rio.

Erica Menezes de Oliveira prepara um drinque como o marido Carlos Eduardo que pega um pouco de gelo na praia do Abricó, recentemente designado como nudista após 20 anos de batalha, no Rio de Janeiro, Brasil, quinta-feira, 4 dezembro de 2014. A cidade famosa em todo o mundo por suas festas de Carnaval selvagens caracterizadas por sambistas seminuas obteve finalmente a sua primeira praia oficial de nudismo. (AP Photo / Felipe Dana)

Isso nem se compara a mais de 200 áreas de recreação nudista nos EUA sob os cuidados da Associação Americana para Nude Recreation, e ainda menos ao nudismo super comum na Europa.

"Ainda é muito tabu. A maioria das pessoas aqui continuam a misturar o nudismo e amor livre", disse Ribeiro, enquanto caminhava na areia em sua roupa de nascimento, complementado com um boné para proteger a cabeça do sol. "No Rio, você tem festas de carnaval com pessoas nuas ou quase nuas desfilando nas escolas de samba. Mas os moradores do Rio aceitam isso durante o Carnaval."

Rodeada por vegetação tropical, Abricó é isolada das praias vizinhas  por formações rochosas exageradas. Por causa de sua reclusão, Abricó vem atraindo nudistas desde o final da década de 1950, disse Ribeiro.

Carlos Eduardo toma banho de sol na praia do Abricó, recentemente designado como nudista após 20 anos de batalha, no Rio de Janeiro, Brasil, quinta-feira, 4 de dezembro de 2014. A praia tem atraído nudistas desde o final da década de 1950, em desafio aos encargos legais, incluindo "ofender moral" pública. Com a nova lei, os nudistas estão livres de qualquer ameaça de ação legal e oferece maior proteção. (AP Photo / Felipe Dana)

A lei municipal aprovada no mês passado exige que a polícia patrulhe a praia. Mas isso, até agora nenhum deles apareceu, de acordo com Ribeiro.

"Na época em que era ilegal para vir nu aqui, a polícia estava aqui o tempo todo, ameaçando pessoas ou as extorquindo", disse ele. "Agora que nós precisamos deles aqui, ninguém consegue sequer avistá-los."

Claudio da Silva, de 53 anos de idade, que era uma de um punhado de pessoas que desafiavqm o tempo nublado para deixar tudo para fora em Abricó esta semana, disse que "infelizmente, os brasileiros ainda não estão psicologicamente preparados para o nudismo."

"Essas atitudes não mudam da noite para o dia", disse Silva, usando apenas óculos de sol. "Mas eu acredito que essa lei mostra que estamos lentamente, lentamente fazendo progresso."
 

Fonte: http://www.dailymail.co.uk/wires/ap/article-2862570/After-long-battle-Rio-gets-1st-nudist-beach.html

Veja o vídeo da entrevista em http://www.aparchive.com/metadata/Any/580c74f32cee7a15032475a1a9ba286d#

(enviado em 26/12/14 por Jornal OLHO NU)


Nova Lei para a praia do Abricó gera muitas matérias na mídia não especializada

Emissoras de Tv e rádio e jornais impressos e virtuais tiveram um novo assunto para discutir e divulgar. A sanção da lei pela prefeitura do Rio de Janeiro que regulamenta a prática do naturismo na praia do Abricó foi o tema nos principais meios de comunicação do Brasil. Clique nos links a seguir para ler as informações até agora divulgadas:

http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro

http://extra.globo.com/

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/

http://ego.globo.com/famosos

http://www.traveller.com.au/

https://www.youtube.com/watch?v=xMkErWRqVsU

http://www.dailymail.co.uk/travel/travel_news/article-2831519/Rio-Janeiro-opens-nudist-beach-naked-activist-campaign-travel-hour-strip-off.html 

http://www.foxnews.com/travel/2014/11/13/rio-de-janeiro-opens-first-nudist-beach/

http://blogdomariomagalhaes.blogosfera.uol.com.br/2014/11/11/entra-em-vigor-lei-que-oficializa-primeira-praia-para-nudistas-no-rio/

http://oglobo.globo.com/rio/aprovada-lei-que-permite-nudismo-na-praia-do-abrico-no-rio-de-janeiro-14532492 

http://noticias.terra.com.br/brasil/cidades/videos/latinete-vira-reporter-e-apresenta-praia-de-nudismo-no-rio,7685721.html

http://noticias.terra.com.br/brasil/cidades/praia-de-nudismo-no-rio-esta-aberta-a-visitacao-e-curiosos,eedd9cef888c9410VgnVCM5000009ccceb0aRCRD.html

(enviado em 12/11/14 por Claudio Haliuc)


Copa do Mundo aumenta movimento de praia nudista no Rio

O portal R7 faz mais uma matéria na praia do Abricó sobre o aumento da frequência por causa da Copa do Mundo. Veja a matéria completa em http://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/fotos/copa-do-mundo-aumenta-movimento-de-praia-nudista-no-rio-26062014#!/foto/1

A praia de Abricó — refúgio naturista na cidade do Rio de Janeiro — fica encoberta por uma vegetação densa de Mata Atlântica que a protege de olhos curiosos, na estrada da Guanabara, em Grumari, na zona oeste do Rio. Em tempos de Copa do Mundo, a estreita faixa de areia branca de aproximadamente 250 metros de extensão viu seu movimento quase triplicar desde o início do Mundial. Entre os mais novos visitantes, a maioria é europeia. Chilenos, argentinos e norte-americanos também marcam presença no local. Veja fotos!

Reportagem: Rodrigo Teixeira, do R7

O professor de Educação Artística Pedro Ribeiro, fundador e presidente da Anabricó (Associação Naturista de Abricó), afirmou ao R7 que, no inverno, a frequência nos finais de semana e feriados é de cerca de 70 pessoas e, devido à Copa, esse número quase triplicou.

— Já tivemos quase 200 pessoas aqui em Abricó no último fim de semana. É uma maravilha saber que naturistas de diversos países escolheram Abricó como destino e estão aprovando o que estão vendo por aqui.

Retratados na foto que abre esta galeria, Jorge Cloud, de 40 anos, Iguesa Milaz, de 36 anos, são naturistas franceses e, antes de virem ao Brasil, pesquisaram sobre refúgios naturistas. Aqui no Brasil fizeram questão de conhecer Abricó. Cloud estava um pouco resistente ao falar com a reportagem do R7, mas, após um sorriso de Milaz, a conversa correu normalmente. Milaz queria se enturmar e fazer amigos na praia.

— Estamos aqui para fazer amigos, estou muito contente. Viemos para assistir ao mundial, e estamos aproveitando para conhecer o Rio, tivemos sorte de encontrar Abricó. Olhando estas famílias aqui é muito bom. Queremos que nossos filhos possam crescer nessa realidade

O casal Patricio Cortez, de 39 anos, e Cecilia Velles, de 37 anos, são naturistas chilenos da praia Luna, em Viña del Mar, e visitaram Abricó pela primeira vez. Cecilia contou ao R7 que ficou apaixonada pela tranquilidade do local.

— Eu vim para o Brasil com o meu marido ver o jogos da Copa do Mundo, Chile x Espanha! Hoje, vim tomar sol na praia. Estou gostando muito de Abricó e aqui estou muito contente. Amei a tranquilidade deste lugar.

Amilton Alves, de 49 anos, é uma espécie de segurança da praia de Abricó. Ele zela para que as regras sejam cumpridas. Alves explica para quem não conhece o modo de vida dos naturistas.

— Algumas pessoas vêm com intuito diferente do que é o naturismo, só porque está achando que tem mulher nua é bagunçado, não é bem assim, naturismo é respeito e eu ajudo a manter a ordem, eu sou um dos primeiros que veio para cá e aqui o que eu faço é um serviço social.

A Anabricó bate ponto e garante que qualquer banhista fique nu sem sofrer constrangimento. Um dos desafios de Pedro é conscientizar as pessoas sobre o naturismo, desmistificar o nu e combater o preconceito.

— Oficialmente, temos 757 associados cadastrados, mas somente uns 70 pagam a taxa que cobramos rigorosamente. O nosso desafio aqui é combater o preconceito com o corpo nu, garantir a prática do naturismo e manter esse ambiente familiar, tranquilo e seguro.

Um dos diferenciais da praia de Abricó está no fato de o local permitir a entrada de homens e mulheres solteiros e não apenas casados, como acontece em outras praias de naturismo do Brasil. A média de idade dos frequentadores é de 30 anos.

(enviado em 26/06/14 por ANAbricó)


 

Presença de estrangeiros mais que dobra público em praia de nudismo no Rio

Maria Luísa de Melo
Do UOL, no Rio

Imagens: Zulmair Rocha

Fonte: http://noticias.uol.com.br/cotidiano

A Praia de Abricó, trecho da orla do Recreio dos Bandeirantes (zona oeste do Rio de Janeiro) destinado à prática do nudismo, ganhou novos visitantes com o início da Copa do Mundo. No primeiro final de semana após a abertura do Mundial, o número de frequentadores mais que dobrou --saltou de 40 por dia para cerca de cem. Entre os mais novos visitantes, estão europeus, argentinos e brasileiros vindos de outros Estados.

"Em dias de verão, a Praia de Abricó chega a receber até 500 visitantes, já no friozinho de outono dificilmente passamos dos 40. Para nossa surpresa, neste fim de semana o número foi bem maior", afirmou o presidente da Associação de Naturistas de Abricó (ANA), Pedro Ribeiro. "Para nós isso é importante para a popularização do naturismo, porque muita gente tem preconceito. Naturismo não é bagunça. Além disso, há expectativa de que o número de visitantes aumente ainda mais nos próximos dias."

Além da tradicional reunião dos sócios da ANA para um jogo de peteca com todos nus e muita conversa, o último domingo (15) foi marcado por uma grande festa junina. O "arraiá" reuniu homens e mulheres de várias idades, inclusive crianças. Entre as brincadeiras preferidas dos naturistas estavam corrida com os pés amarrados, além de corrida de saco e gincana para catar lixo na praia.

Um geógrafo alemão de 26 anos, que preferiu identificar-se apenas como Florian, conta que conheceu o reduto naturista pela internet. Ao chegar ao Rio, sua intenção era conhecer uma praia mais vazia e reservada. Foi aí que descobriu Abricó.

"Não consegui ingresso para os jogos da Copa, mas decidi vir ao Rio de Janeiro mesmo assim. Me debrucei a conhecer a cidade e acabei descobrindo esse paraíso", disse o turista adepto do naturismo. "Às vezes não entendo os brasileiros. As mulheres vão à praia com biquínis muito pequenos, mas as pessoas se chocam com banhistas nus. Qual a razão de tanto espanto?"

Um dos frequentadores mais antigos, o capitão de mar e guerra Paulo Pereira, 60, conta que, apesar da tranquilidade do trecho, ainda há muitos não praticantes de naturismo que insistem em adentrar o trecho reservado por curiosidade.

"Não somos bichos para ficarmos sendo observados. Muita gente entra aqui só para nos olhar nus e apontar, como se Abricó fosse um zoológico humano", reclama um dos organizadores da festa junina. "No último sábado [14] tivemos que chamar a polícia para um cidadão que insistiu em ter um comportamento incompatível com o naturismo, foi desrespeitoso. Aqui nós somos um grupo de convivência que tem um laço muito forte de amizade. E de muito respeito acima de tudo."

Apesar de também se queixarem de preconceito por quem não é adepto do naturismo, um casal de empresários de Minas Gerais que preferiu não se identificar conta que o diferencial de Abricó está no fato de permitir a entrada de homens e mulheres solteiros e não apenas casados, como acontece em outras praias de naturismo do Brasil.

"Já estivemos em nas praias de Tambaba [Paraíba], Pinho [Santa Catarina] e Massarandupió [Bahia] e nenhuma delas permite pessoas desacompanhadas. Em Abricó, apesar da ausência do poder público, que não provê a segurança e limpeza adequada ao local, a entrada de solteiros é permitida. E eu vejo isso com bons olhos", diz o mineiro. "Afinal, solteiros também podem ser naturistas."

Briga judicial

A praia de Abricó teve autorização da Prefeitura do Rio para a prática naturista em novembro de 1994, por meio de uma resolução municipal. No mesmo ano, o advogado Jorge Beja conseguiu sete assinaturas, entrou com uma ação popular e obteve uma decisão judicial que proibiu a prática de nudismo na praia.

Sete anos depois, a decisão foi revertida, e o nudismo voltou a ser praticado em Abricó. Mas a vitória não durou muito, e uma nova decisão judicial contra o nudismo teve que ser acatada. Até que, em setembro de 2003, com a chegada do caso ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), o nudismo voltou a ser liberado nas areias de Abricó. Não cabe mais recurso. O UOL não conseguiu entrar em contato com o advogado.

(enviado em 16/06/14 por Lucas Pinheiro)


 

Naturalistas esperam dobrar frequência na Praia do Abricó

Entidade cobra melhorias estruturais e aprovação de legislação na área de nudismo

Rio - Único local permitido para o naturismo na cidade, a Praia do Abricó, em Grumari, é uma atração que pode agradar aos turistas estrangeiros que vêm para a Copa do Mundo, especialmente os provenientes da Europa, onde a prática é comum. A expectativa é que o número de visitantes diários chegue a um pico de 500 pessoas —mais que o dobro da frequência de 200 por dia nos finais de semana, segundo cálculos da Associação Naturista de Abricó (ANA).

Confiante em atrair banhistas estrangeiros, o grupo, porém, se ressente com a falta de apoio da prefeitura e cobra melhorias estruturais na área. As principais reivindicações são a colocação de placas que avisem sobre a liberação da prática do nudismo e a melhoria da segurança durante os finais de semana, quando o movimento é maior. “Essa região de Grumari é isolada, não tem nada aqui perto. Então, a falta de guardas municipais acaba afastando muitos banhistas”, afirma Claudio Haliuc, relações públicas da ANA, que há 20 anos promove o naturismo no Abricó.

Apesar do longo tempo em que o nudismo é praticado na praia, falta uma legislação específica sobre o assunto. Para isso, a associação deposita suas esperanças em projeto de lei, tramitando na Câmara dos Vereadores, que libera o naturismo na área e obriga o poder público a “manter a segurança e ordem, inibindo abusos de qualquer natureza” na praia. Além disso, o texto prevê a sinalização da praia.

Regularização

Autora do projeto, a vereadora Laura Carneiro (PTB) acredita que a lei traria aos praticantes de nudismo a certeza de manutenção do apoio da prefeitura, independentemente de quem estiver no poder. “A lei vai ajudar a criar uma consciência sobre essa prática milenar e auxiliar os naturistas a cobrarem seus direitos junto ao Executivo”, explica Laura. Contudo, o projeto, de maio de 2013, não deve ser votado antes da realização do Mundial. “Precisaríamos colocar o tema em caráter de urgência”, diz.

A luta da ANA pela regularização do nudismo na praia é antiga. Em 2008, projeto do vereador Adilson Pires (PT) buscava estabelecer as mesmas regras da lei proposta atualmente. Tal projeto esteve para ser votado por três anos até ser arquivado, em janeiro de 2013.

fonte: http://odia.ig.com.br/noticia/


Nudistas 'convocam' europeus para festa junina na Praia do Abricó

Associação prepara evento em dia de jogo no Maracanã

Rio - No próximo dia 15, Argentina e Bósnia fazem o primeiro jogo no Maracanã da Copa do Mundo. Longe dali, na Praia do Abricó, em Grumari, turistas estrangeiros também são aguardados. Será realizada no local uma festa junina de nudistas. E a expectativa da Associação de Naturistas do Abricó (ANA), organizadora do evento, é receber visitantes europeus que vieram para o Mundial.

 

Com exceção da falta de trajes, os festejos no Abricó vão seguir a tradição junina, com comidas e brincadeiras típicas. Além disso, está prevista uma gincana do lixo, para auxiliar na limpeza da praia. A brincadeira não esconde o incômodo dos nudistas com a situação do local. “Fazemos isso em nossas reuniões porque a Comlurb não cumpre o papel dela”, diz Claudio Haliuc, relações públicas da ANA. Em caso de fazer mau tempo no domingo, a festa junina será adiada para o dia 19.

http://odia.ig.com.br/noticia/

(enviado em 5/06/14 por Claudio Haliuc)


Em Abricó, nudez tem dia marcado

Jornal O Globo publicou neste domingo 9, matéria sobre a Praia do Abricó onde destaca a diferença de comportamento dos banhistas da praia entre finais de semana e dias da semana.

Único reduto naturista do Rio, praia desperta curiosidade e polêmica pela obrigatoriedade de tirar a roupa só em fins de semana

por Cibelle Brito

Img: Guilherme Leporace  

RIO — Encoberta por uma vegetação densa, a estreita faixa de areia branca surge em meio à Mata Atlântica na Avenida Estrada da Guanabara, em Grumari. Naquele trecho da via, de paralelepípedos, dois homens munidos de uma câmera digital tentam, do alto, fotografar banhistas muito à vontade, que curtem a sensação térmica de 50 graus do verão carioca sem biquíni, maiô ou calção de banho.

A Praia do Abricó ainda desperta curiosidade, mesmo sendo (e até por ser) o reduto oficial dos naturistas há 20 verões. Nos seus poucos mais de 250 metros quadrados, todos os sábados, domingos e feriados — com sol e condições favoráveis da maré —, a Associação Naturista de Abricó (ANAbricó) bate ponto e garante que qualquer banhista fique nu sem sofrer constrangimento por parte de outras pessoas ou do poder público. Em tempos de discussão sobre o direito de fazer topless em qualquer praia, ali ninguém usa roupa. Nos dias de semana, porém, o cenário é outro: pessoas em trajes de banho também são vistas naquele trecho de areia.

Leia tudo em http://oglobo.globo.com/rio/bairros

(enviado em 9/02/14 por Pedro Ribeiro


Naturismo na Mídia: jornal e TV.

O Naturismo foi tema de duas matérias em dois veículos de comunicação distintos: um jornal e uma emissora de TV. O jornalista e ex-deputado Fernando Gabeira apresenta na emissora de TV por assinatura Globonews uma matéria onde aborda o Naturismo na praia de Tambaba, onde considera que a organização e apoio institucional da prefeitura da cidade do Conde, fez com que o local "desse certo" ou seja funciona muito bem. No contraponto comparou com a praia de Abricó que sofre para se manter organizada porque não tem qualquer apoio oficial. O programa chamado Fernando Gabeira ainda está indo ao ar nos dias 6, quinta-feira: às 19 h 30 e 8, sábado: às 5 h 05 e 11 h 05. Também está disponível no site da GloboNews: http://g1.globo.com/globo-news/fernando-gabeira.

A outra matéria ainda vai ser publicada no jornal O GLOBO, no próximo domingo, 9 de fevereiro, no caderno O Globo Barra. O tema também a praia do Abricó. A repórter e fotógrafo visitaram a praia no dia 31 de janeiro, uma sexta-feira, para conhecer os problemas reclamados por seus frequentadores. A matéria também estará disponível no site do jornal. Portanto todos De Olho na Mídia.

(enviado em 6/02/14 por Pedro Ribeiro)


Praia do Abricó no Globo Barra

Jornal O GLOBO, em seu suplemento dominical, O GLOBO BARRA, publica matéria sobre a praia do Abricó. Clique sobre cada uma das figura abaixo para poder ler na íntegra a matéria publicada no dia 13 de novembro de 2011.

(enviado em 26/12/11 por Pedro Ribeiro)


A Liga exibe programa que enfoca o naturismo

 

Sem maiores informações o programa "A Liga" da Rede Bandeirantes exibiu na terça-feira, 24 de maio, a matéria com o título "liberdades individuais" que enfoca, entre outros temas bastante polêmicos, também o naturismo. É pena que a emissora não divulgou nas chamadas que iria aparecer o naturismo.

A primeira parte do programa, a que enfoca o naturismo já está disponível no link a seguir: http://www.band.com.br/aliga/conteudo.asp?id=100000435105

 

(enviado em 24/05/11 por Pedro Ribeiro)


Balanço Geral no Naturismo

 

O programa Balanço Geral da TV Record do Rio de Janeiro, apresentado por Wagner Montes, exibiu no dia 21 de janeiro, dia do padroeiro da cidade maravilhosa, uma matéria produzida um dia antes na praia do Abricó, onde o repórter entrevistou curiosos, frequentadores e dois coordenadores da Associação que organiza a praia.

 

Clique no link http://www.recordrio.com.br/videos.php?sid=1718 e confira a reportagem.

 

(enviado em 23/01/09 por Marcelo dos Prazeres)


Praia do Abricó citada como local imperdível

 

Foi quase imperceptível, mas aconteceu. O site Viaje Aqui cita a praia de Abricó, no Rio de Janeiro, como uma das "30 praias do sonho do Sudeste". Confira.

 

http://viajeaqui.abril.uol.com.br/sugestoes/praias/va_galeria_sugestao_414922.

shtml?21?#titulo_principal 

 

(enviado em 23/01/09 por Mauro Martins)


Vôo naturista na TV

 

A rede Bandeirantes apresentou matéria sobre o vôo naturista que possivelmente irá acontecer em setembro deste ano, trazendo naturistas da Europa para participarem do XXXI Congresso Internacional de Naturismo, em Tambaba, na Paraíba.

 

A reportagem, exibida em duas edições diferentes, no jornal do Rio, e no jornal da Band, entrevistou frequentadores da praia do Abricó, no Rio de Janeiro, naturistas e não naturistas, pedindo sua opinião sobre o evento.

 

A matéria, que serve para divulgar o naturismo, pode ser vista fazendo o download da exibida no jornal local, clicando aqui.

 

Leia o conteúdo da matéria clicando no link a seguir:

http://www.band.com.br/jornaldaband/conteudo.asp?ID=67043&CNL=1

 

(enviado em 1/02/08 por Stéferson Farias)


Atriz de TV é fotografada nua na praia do Abricó

 

A atriz Nathália Rodrigues esteve na praia do Abricó, no Rio de janeiro, juntamente com uma companhia masculina, que se supõe ser seu namorado. Foi fotografada por um paparazzi (fotógrafo que faz fotos furtivas e sem permissão do focalizado) e divulgou-as nos diversos sites dos principais canais de comunicação da Internet.

 

Essa notícia foi enviada por diversos leitores que a encontraram durante suas navegações. Porém, como administrador de uma área naturista pública lamento que jornais importantes como O GLOBO e O DIA tenham quebrado uma importante regra do Naturismo e de suas áreas: fotografar sem consentimento.

 

http://odia.terra.com.br/cultura/galeria_foto/050907_nudismo_natalia/index.asp

 

Nathália Rodrigues diz que ficou chateada com o flagra dela e do namorado na praia de nudismo: "Quando vi minhas fotos, comecei a rir. Sou eu peladona!", disse Nathália Rodrigues ao EGO. A atriz foi flagrada com o namorado Gabriel Abdalla, na quarta-feira, 5, na praia do Abricó, no Rio de Janeiro, conhecida por ser freqüentada por nudistas.

 

“Estava em um local propício, privado, com a pessoa que eu vivo, me senti invadida. Fiquei chateada, foi um incidente. Não estava me expondo em Ipanema nem na Barra da Tijuca...”, desabafou Nathália.

 

“Aconteceu até com a Luciana Gimenez, que foi parar na capa da revista. Na Europa isso é normal, e como eu viajo muito, acho normal também”, disse a paulista de 26 anos, que garante ter sido pega de surpresa.

“Não sei de onde surgiu o fotógrafo. Na praia tinha pai, crianças, seguranças... Não posso deixar que isso ultrapasse a minha arte. Trabalho, estudo tanto, é muito pequeno isso. Não fiz nada de mau. Não pode existir este tipo de preconceito. Falei com meu amor e ele disse ‘não tem nada demais, já nascemos pelados’”.

 

Mesmo chateada, a atriz garante que não irá processar ninguém. "Deixa o fotógrafo ser feliz com o dinheiro que ele ganhou. Você tem que experimentar, eu fui e infelizmente aconteceu. Tenho que rir disso”, comentou.

 

Fonte: http://ego.globo.com/ENT/Noticia/0,,MUL100081-5877,00-NATHALIA+RODRIGUES+SOBRE+FLAGRA+NA+PRAIA+DE+

NUDISMO+SOU+EU+PELADONA.html

 

(enviado em 10/09/07 por André Herdy)


Tudo muito natural

 

Revista distribuída a assinantes de operadora de celulares OI, do grupo Telemar,  publica, na edição de janeiro de 2007, matéria com naturistas da praia do Abricó, com depoimentos e fotos colhidos durante a realização do X CongreNAT no Rio de Janeiro. Clique sobre a figura para abrir as páginas e ler os textos.

(enviado em 5/02/07 por Pedro Ribeiro)


 

Revista ISTOÉ publica matéria na edição 1917, tanto na versão impressa quanto na versão on-line

A batalha dos Nudistas contra os swingueiros

 

foto: Renato Velasco

A luta para manter o código de ética nas áreas naturistas chegou à grande imprensa com a matéria publicada nesta semana pela revista ISTOÉ que está nas bancas. De autoria de Ricardo Miranda, enfoca o duelo travado entre naturistas e swingueiros nas diversas áreas naturistas do país e afirma que este tema será debatido no próximo CongreNAT a ser realizado em novembro, no Rio de Janeiro.

 

Leia a matéria na íntegra no site da revista ISTOÉ

http://www.terra.com.br/istoe/1917/comportamento/1917_nudistas.htm

 

(enviado em 16/07/06 por Pedro Ribeiro)


Jornal O Globo publica matéria na edição impressa de domingo, 5 de fevereiro de 2006

Com o nudismo regulamentado, Abricó enfrenta perturbação de baderneiros.

Alessandro Soler

No primeiro verão desde a regulamentação do nudismo no Abricó, única praia onde a prática é permitida no Rio, freqüentadores sofrem para manter afastados os baderneiros. A prefeitura, que oficializou o naturismo ali, recusa-se a destacar guardas para conter curiosos agressivos. Num só dia de sol, há duas semanas, foram expulsos quatro homens que se exibiam ostensivamente e assediavam as naturistas.

Além de mais segurança, falta sinalização adequada para delimitar o trecho e explicar as regras. A fronteira entre a área de nudismo e Grumari, formada por grandes pedras, fica apinhada de curiosos, que querem espiar o movimento dos sem-roupa.

— Ninguém é proibido de entrar com roupa. Mas se há lei instituindo o nudismo, pensamos ter o direito de fazê-la valer. O Abricó é um trecho de 200 metros, nada perto das dezenas de quilômetros de orla do Rio — observa Pedro Ribeiro, presidente da Associação Naturista do Abricó.


Se o nudismo é praticado naquelas bandas desde os anos 60, só em 1994 a área foi oficializada por uma resolução do então secretário de Meio Ambiente, Alfredo Sirkis, hoje de Urbanismo. A permissão foi contestada na Justiça, e o processo se arrastou até setembro de 2003, quando foi liberada a prática. Em maio do ano passado a prefeitura fez publicar uma lei regulamentadora.

— A prefeitura nunca repôs as que foram levadas pela maré — critica o engenheiro Mauro Martins, que tem uma tática para afastar os baderneiros:

— Quando ficam na entrada incomodando os naturistas, fazendo piadinhas e constrangendo as mulheres, vou até lá e me sento peladão numa pedra. Eles saem na hora.

(clique sobre a figura para ver a reprodução da matéria original)

(enviado em 5/02/06 por Mauro Martins)


O Globo online publica matéria no dia 25 de janeiro

Praia de Abricó é o paraíso dos naturistas do Rio

RIO - Localizada entre a Prainha e Grumari, Abricó é a única praia que permite o nudismo no município. Durante o verão, o local chega a receber 350 pessoas por dia, um número três vezes maior que o registrado em outros períodos do ano. Os novos visitantes devem ficar atentos a algumas regrinhas para evitar problemas e constrangimentos com os freqüentadores.

Leia a matéria completa clicando no link a seguir.

http://oglobo.globo.com/especiais/verao/190012761.asp

É necessário ser cadastrado no jornal.

(enviado em 25/01/06 por Maria Luzia Almeida)


Revista ISTOÉ no dia 21 de janeiro de 2006

Nudez Protegida

 

A edição que está nas bancas (1882) da revista ISTOÉ apresenta matéria sobre a praia do Abricó, no Rio de Janeiro. Como o título "Nudez polêmica" e subtítulo "Freqüentadores de praia de nudismo no Rio montam guarda particular para barrar voyeurs e exibicionistas", a matéria de Ricardo Miranda e fotografias de Renato Velasco ocupa duas páginas inteiras da revista.

 

A edição on-line já está com a matéria no ar. Clique aqui para ler na íntegra.

 

(enviado em 21/01/06 por Mauro Martins)


Portal IG no dia 4 de janeiro de 2006

No dia 04 de Janeiro de 2006 o Abricó ganha uma excelente reportagem no Portal IG (Últimas Notícias) e dentre os comentários vários mostram-se favoráveis ao nosso estilo de Vida e alguns outros ainda desconhecem o que é o naturismo. Para estes últimos ressaltamos que reportagens como estas servem exatamente para eles conhecerem mais sobre quão maravilhoso é ser naturista.

Leia a reportagem e vejam as fotos clicando aqui. Na sequência vemos os comentários dos leitores.

(enviado por André Herdy em 4/01/06)


jornal O DIA de 18 de outubro de 2005

'Placas informativas e cerca de árvores para proteger "peladões" de Abricó'

clique sobre a figura para ler a reportagem


jornal O DIA de 17 de outubro de 2005

 

'Gente pelada sem aviso'

 

clique sobre a figura para ler a reportagem


jornal MEIA HORA de 10 de outubro de 2005

 

'Sol forte e confusão'

 

clique sobre a figura para ler a reportagem


Você está acessando as páginas da Associação naturista de Abricó




ANA - Associação Naturista da Praia do abricó 2003  / 2011
Todos os direitos reservados.